Poesia  /  A Saca de Orelhas  /  Bu! Bu! Quem tem medo de Buñuel?

Bu! Bu! Quem tem medo de Buñuel?

D. Luís, estou triste! Assim, desembainhado,
já não posso tocar, sequer, na Alcoforado.

E era ela, por Deus, o mais vero fantasma
das minhas noites de suor e asma.

Bem antes de Viridiana, ela vinha e dizia:
«O trunfo é copas. Começa a jogatina!»

«O trunfo é paus!», era o que eu respondia.
E por paus e por copas a gente se entretinha.

Ainda Tristana estava por nascer
já eu provara o gosto de pecar e de o saber.

Da liberdade o fantasma a Mariana erguia
quando, na minha cama, do burel se despia.

D. Luís, estou triste e a comer figos secos,
enquanto os catequistas engrolam os seus credos

e os copistas já vendem, pela cidade,
vistas a cores da «Única!» realidade.

Ó meu Empecinado, o da eterna guerrilha,
que podengos te metem o testículo na v’rilha?

Que sacristas descobrem que a tua liberdade
não liberta ninguém, que é uma falsidade?

Alegre, D. Luís, que esses tais já se somem.
A tua liberdade é cor do homem!

1975