Poesia  /  Feira Cabisbaixa  /  Velha Fábula em Bossa Nova

Velha Fábula em Bossa Nova

Minuciosa formiga
não tem que se lhe diga:
leva a sua palhinha
asinha, asinha.

Assim devera eu ser
e não esta cigarra
que se põe a cantar
e me deita a perder.

Assim devera eu ser:
de patinhas no chão,
formiguinha ao trabalho
e ao tostão.

Assim devera eu ser
se não fora
não querer.

(– Obrigado, formiga!
Mas a palha não cabe
onde você sabe…)