Poesia  /  As Horas já de Números Vestidas  /  Um Velho no Restelo

Um Velho no Restelo

Irado, e meio de recusa, olha as gaivotas.

*

É o Homem do Leme?
Não o creio.

*

Dá tudo por tabaco. Um cigarrinho
apazigua o velho. A sua queixa
(histórica?) é, afinal, conforme.

*

Vem para terra o velho. Perde uma alpargata
e apostrofa o mar, que não tem culpa
do alcatrão fervente.

*

O velho morde um pão
E deixa nele o dente.

O Velho bebe um copo.
Não deixa nele a sede.

*

O mar é o ladrão.
De pais a filhos o mar é o ladrão.

*

O sal das sobrancelhas alveja em seu olhar.
Está por tudo o velho, menos pelo mar.