Poesia  /  No Reino da Dinamarca  /  Rir, Roer

Rir, Roer

E se fôssemos rir,
Rir de tudo, tanto,
Que à força de rir
Nos tornássemos pranto,

Pranto colector
Do que em nós sobeja?
No riso, na dor,
Que o homem se veja.

Se veja disforme,
Se disforme for.
Um horror enorme?
Há outro maior…

E se não houver,
O horror é nosso.
Põe o dente a roer,
Leva o dente ao osso!