Poesia  /  Entre a Cortina e a Vidraça  /  Remoção do Cadáver

Remoção do Cadáver

Começaste muito antes do caixão.
Não remonto propriamente ao berço,
nem à velha que rezava o terço,
enquanto respondias, grão a grão.

Antes de seres «o morto» que és agora,
antes de teres vigência e estatuto,
há muito que não perdias pela demora
de vires encher o esquife devoluto.

Entra, pois, que estás em tua casa
por direito mais que natural.
Cautela com essa perna! Fecha a asa!
És um chato de morto, um anormal!

Acabou-se a farândola! Vai lá
tirar-me da cara esses cosméticos.
Há um que espera, queixo contra a pá,
e uns que já não podem de tão sérios.

Morto perfeito, ó meu só retrato
de gaveta em gaveta, na desarrumação,
a morte não te pede o grande acto
e já é tarde para dares o não.