Poesia  /  As Horas já de Números Vestidas  /  O Rato e o Anjo

O Rato e o Anjo

Há um rato para cada português
Dos jornais

Anjo guardum
pra cada um
Da província

Um rato e um anjo da guarda
para cada.

Anjo defende o acto
mau,
a fazer ou a sofrer.

Rato celebra contrato?
Qual!

Rato rói,
até na orelha.
Anjo dói
de outra maneira.

Mas eis que, nestes enredos,
há dois a mais, um a menos.

Cai ao anjo a pena,
ao rato o pelame.
Um regressa ao seu enxame,
o outro à sua caverna.

E o português, desanjado,
já se vê desratizado.
Chora.